sexta-feira, 16 de março de 2012

Desenvolver a leitura nas séries iniciais.

Leitura feita pelo aluno, antes de saber ler convencionalmente.

É preciso oferecer textos à criança já nas primeiras atividades de alfabetização porque conhecer seus usos e suas funções favorece a reflexão sobre o sistema de escrita


Tadeu Breda (novaescola@atleitor.com.br)


Leitura pelo aluno de textos memorizados:


Neste trabalho, o professor:

- Propõe a reflexão sobre o sistema alfabético de escrita.
- Proporciona situações reais de leitura com cantigas e parlendas.
- Permite que os alunos estabeleçam uma relação entre o oral e o escrito.
Segundo Beatriz Gouveia, coordenadora do programa Além das Letras, do Instituto Avisa Lá, em São Paulo, é o contato com o texto que permite ao aluno refletir sobre o funcionamento do sistema de escrita. "A reflexão constante possibilita desenvolver estratégias de leitura", explica a educadora.

Tais estratégias são postas em prática pelas crianças sempre que tentam "ler" mesmo sem saber ler. "Elas antecipam o que pode estar escrito. Como ainda não dominam o sistema, estão o tempo todo usando informações sobre a escrita do próprio nome, do nome dos colegas ou outros que trazem da própria experiência." Beatriz esclarece que essa tentativa de leitura não é aleatória. Ao contrário, "é um trabalho intelectual. A criança compara as palavras, seleciona, olha para todas as pistas e só então verifica o que está escrito".

Existem atividades que ensinam o aluno a ler ao mesmo tempo em que proporcionam situações reais de leitura. Um exemplo é uma coletânea de cantigas e parlendas que as crianças já conheçam de cor. A letra da música é afixada pela professora na parede da sala de aula de maneira que todos possam acompanhar a leitura enquanto cantam. Assim - sempre com a intervenção da professora -, constroem relações entre o que pronunciam e a escrita correspondente (leia o projeto didático).

A professora Ana Rosa Piovesana conseguiu alfabetizar todos os alunos no 1º ano da EMEB Rosa Scavone, em Itatiba, a 89 quilômetros de São Paulo, lançando mão de atividades de leitura e escrita de cantigas e parlendas, entre outras. No início de 2008, sua sala tinha oito crianças pré-silábicas, duas silábicas sem valor sonoro convencional, oito silábicas com valor sonoro convencional, uma silábica-alfabética e duas alfabéticas.


Antes de tudo, Ana Rosa pergunta quais cantigas todos conhecem. Esse levantamento é importante para saber que canções fazem parte do repertório comum da classe. Como as crianças ainda não dominam o sistema de escrita, a memorização prévia da canção que será "lida" é essencial para saberO QUE está escrito e tentar ler ONDE está escrito: se trabalha a música O Sapo Não Lava o Pé, por exemplo, o estudante saberá que as estrofes que tentará ler durante a atividade correspondem tão-somente à letra dessa música.


"Escrevo a letra das cantigas num papel pardo e coloco na parede da sala. Também entrego uma cópia para cada um colar no caderno para levar para casa e ler com os pais", diz Ana Rosa. "Então cantamos a música, acompanhando a letra, apontando e fazendo o ajuste do falado ao escrito conforme ela vai sendo cantada. Depois, peço que encontrem palavras da música."


Ana Rosa descreve as intervenções realizadas com um de seus alunos durante o trabalho com uma das cantigas. Os versos em questão eram: "Havia uma barata/ Na careca do vovô/ Assim que ela me viu/ Bateu asas e voou". Ana perguntou:


- Lucas, encontre para mim na cantiga a palavra "vovô".


Ele apontou a palavra "voou".


- Lucas, diga com que letra começa a palavra "vovô"?


- Com "v", de Vanessa.


- Muito bem, mas...


- Mas esta também começa com "v" - disse Lucas, se antecipando à docente e apontando para a palavra "vovô".


- Então, com que letra termina a palavra "vovô"?


A intervenção nesse caso levou o garoto a analisar mais que a primeira letra da palavra para conseguir lê-la e encontrá-la. "Lucas observou que 'voou' não tinha a letra 'o' no fim, percebeu que aquela não era a palavra correta e recorreu novamente à música para encontrar o que havia sido pedido", explica Ana Rosa.


Fonte: Reportagem do site da Revista Nova Escola.

Um comentário:

  1. Olá Zélia, adoro seu blog...
    Te ofereço de coração o selo de aprovação (pegar no meu blog Educar é Viver na aba ofereço), vc merece!!
    http://orientarpedagogos.blogspot.com/

    Também estou criando um blog para divulgar todos os blogs educacionais de qualidade e vc faz parte dele.
    Seja seguidora, traga o selo de qualidade (pegar na aba faça parte vc também) e indique blogs educacionais de qualidade!!!
    Seja bem vinda!
    http://diversosblogseducacionais.blogspot.com/

    Mil bjs

    ResponderExcluir

Olá, deixe uma mensagem para mim, comente sobre as postagens, ficarei feliz com as suas sugestões, elogios e críticas construtivas, beijos e até mais, Zélia.